Residência de Cinema
e Artes Visuais

RESPONSÁVEIS PELO LABORATÓRIO

Ricardo Leite é realizador e director de fotografia. Organiza e participa em várias Mostras e Exposições dentro da área do Cinema desde 1999, tendo participado em eventos na Europa, Marrocos, Brasil e Cabo-Verde. Colaborou e trabalhado com instituições como o Cineclube do Porto, Cineclube Amazonas Douro e a Associação de Iniciativas Culturais e Artísticas, no Porto, (AICART). Tendo trabalhado maioritariamente no género experimental e em película, é o criador original de uma técnica inovadora intitulada “A Alquimia do Cinema”.

É um dos sócios fundadores do projecto Átomo47, o único laboratório de cinema independente do país, inaugurado em 2007, onde actualmente trabalha e colabora com a Casa da Imagem em V.N. de Gaia. A Átomo47 faz parte de uma lista internacional de 40 laboratórios independentes (www.filmlabs.org).

Steve Cossman é realizador, fundador e diretor da Mono no Aware, uma organização sem fins lucrativos sediada em Brooklyn, NY, que tem como missão criar uma comunidade de cineastas, artistas e amadores com paixão pelo cinema e as suas possibilidades. Com mais de quinze anos de experiência, mais de sessenta workshops realizados e mais de mil artistas internacionais envolvidos, promovem a educação, através do ensino de cursos das práticas de cinema tradicional, desde Super 8mm, 16mm e 35mm.

É uma organização com reconhecimento internacional, os filmes produzidos nos seus workshops já foram exibidos em dezenas de festivais internacionais de cinema, e são reconhecidos pelo seu trabalho e dedicação pelo NYTimes, BBC World, ViceTv, entre outros.

FUNDADORA DA CASA DO XISTO

Catarina de Sousa é realizadora, jornalista e produtora de cinema e artes visuais. Em 2021, fundou com Pedro Neves Marques, a produtora de cinema e artes visuais, Foi Bonita a Festa, sediada no Porto, Portugal. É fundadora da Casa do Xisto, uma residência artística dedicada ao Cinema e às Artes Visuais, na aldeia de Macieira de Rates, em Barcelos, Portugal.

Em Cinema, co-realizou “Tracing Utopia” (2021) com Nick Tyson na UnionDocs, com uma estreia internacional no Festival Internacional de Cinema de Roterdão. É autora do documentário “Verdade ou Consequência” (2017) sobre a era pós-verdade para a RTP. Produziu entre Portugal e o Brasil filmes: “Tornar-se um Homem na Idade Média” (2022), “A Mordida” (2019), “Arte Faz Mal À Vista” (2018), “Semente Exterminadora” (2017), realizado por Pedro Neves Marques; “Vale das Dúvidas” (em pós-produção) por Francisca Manuel; “Laureano Barros, Refúgio Rigoroso” (2017) por Paulo Pinto para a RTP. É produtora associada de “Ecstasy” (2020) de Moara Passoni e “Olmo e a Gaivota” (2015) de Petra Costa e Lea Glob.

Em Arte Contemporânea, produziu as Instalações Filmicas: “Vampires in Space” de Pedro Neves Marques, a Representação Oficial de Portugal na 59ª edição da Bienal de Veneza de 2022. “The Bite is Back” (2019) de Pedro Neves Marques, comissariada pelo Museu de Arte Pérez em Miami. “Zoomorphic Eye/Camera Trap” (2018) de Mariana Silva, comissariada pela Fundação Calouste Gulbenkian. “Catherine ou 1786” (2017) de Francisca Manuel, comissariada por Walk and Talk em parceria com ARQUIPÉLAGO – Centro de Artes Contemporâneas, Açores.

Como jornalista, trabalhou para a Agência de Notícias LUSA, Rádio Clube Português, Barcelona Televisió, e é colaboradora da Mídia Ninja – Narrativas Independentes, Jornalismo e Acção – do Brasil. Mestre em Ciências da Comunicação – Informação e Jornalismo pela Universidade do Minho, com formação em Oficinas Documentais dos Ateliers Varan, França. Foi artista residente no UnionDocs – Center for Documentary Art, em Nova Iorque, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian.